ACELERAÇÃO

Aceleradoras são entidades privadas que tem como principal objetivo apoiar e investir no desenvolvimento e rápido crescimento de startups, auxiliando-as a obter novas rodadas de investimento ou a atingir seu ponto de equilíbrio – quando elas conseguem pagar suas próprias contas com as receitas do negócio. Além dos serviços de apoio e benefícios oferecidos, a aceleradora investe também um valor financeiro e, em contrapartida torna-se sócia da startup até o desinvestimento, quando sua participação é vendida para investidores ou empresas.

A Techmall é uma aceleradora credenciada pelo Startup Brasil e associada à ABRAII – Associação Brasileira de Empresas Aceleradoras de Inovação.

Período de Aceleração

6 MESES A UM ANO

MENTORES

São mais de 60 mentores para ajudar a sua Startup!

  • Afonso-Cozzi2

    Afonso Cozzi Sócio e Membro do Conselho na Confrapar S.A.

  • Alex P. de Carvalho

    Alex P. de Carvalho Executivo na AlPrado Informática

  • Atilio Baccheretti

    Atilio Baccheretti Consultor na DUBNET

  • Bernhard Lohnert

    Bernhard Lohnert Senior Patent & Trademark Counsel na European Patent Attorney

  • Daniel Leipnitz

    Daniel Leipnitz CEO da Callisto

  • Edmar-Ferreira2

    Edmar Ferreira Fundador e CEO da Rock Content

  • Edsmar Carvalho

    Edsmar Carvalho Gerente de Venture Capital da Inseed Investimentos

  • Enelvo Martinelli

    Enelvo Martinelli Consultor na Innovator Capital C2i

  • Erik-Sander2

    Erik Sander Director no Engineering Innovation Institute, University of Florida

  • Euler-Martins2

    Euler Martins Diretor Executivo na Verti Ecotecnologias

  • Evaldo-Vilela2

    Evaldo Vilela Diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação na FAPEMIG

  • Ezequiel Campos Netto

    Ezequiel Campos Netto Sócio Diretor na Melo Campos Advogados Associados

  • Fabio-Veras2

    Fábio Veras Presidente do FIEMG Lab

  • Fernando Casanova

    Fernando Casanova Sócio e Diretor Executivo na Quantum Design

  • Francisco_Vidal

    Francisco Vidal Professor na UFMG

  • Frederico Lacerda

    Frederico Lacerda Sócio-diretor da Souza, Cescon & Flesh Advogados Associados

  • Gabriel Peixoto

    Gabriel Peixoto Fundador Neocontrol Solutions

  • Gabriel-Santos2

    Gabriel Santos Secretário Executivo da ACATE

  • Gregorz-Albrecht2

    Gregorz Albrecht Strategic Innovation Advisor

  • Joao Carlos

    João Carlos

  • Joao Ferreira

    João Ferreira Entrepreneur and Partner at Venture Catalysts

  • Joao-Gustavo-Rezende2

    João Gustavo Rezende Consultor na EY

  • Julio Damiao

    Júlio Damião

  • Lin Chih Cheng

    Lin Chih Cheng Professor na UFMG

  • Luana_Weitzel

    Luana Weitzel CEO e Diretora de Jornalismo na LaPresse Comunicação

  • Lucas Marques

    Lucas Marques Diretor de Marketing do Méliuz

  • Marcelo Manjon

    Marcelo Manjon Principal at XSeed Capital

  • Marcelo Mello

    Marcelo Mello CEO na STA

  • Marcio Jose dos Santos

    Márcio José dos Santos

  • Marcio-Silva2

    Márcio Silva Diretor na Tasco

  • Mariana Godinho

    Mariana Godinho Consultora na ACT Comunicação

  • Marina Paoliello

    Marina Paoliello Fundadora da ACT Comunicação

  • Melina Alves

    Melina Alves Fundadora e Diretora na DUX Coworkers

  • Michael-Gerlack2

    Michael Gerlack Manager IT Governance/Infraestructure na Nokia Solutions and Networks

  • Natalino Uggioni

    Natalino Uggioni Superintendente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina

  • Nivio Ziviani

    Nivio Ziviani CEO da Zunnit Technologies

  • Oliver _Bischof

    Oliver Bischof Supply Chain Management na Siemens

  • Patricia Pellegrino

    Patricia Pellegrino

  • Patrizia Parenti

    Patrizia Parenti Diretora de Vendas e Operações na Bluecore IT

  • Paulo Almeida

    Paulo Almeida

  • Paulo Rodrigues

    Paulo Rodrigues US Market na Denox

  • pedro_vidigal

    Pedro Vidigal Diretor de Desenvolvimento Institucional na FUNDEP

  • Priscila Spadinger

    Priscila Spadinger Executiva de Negócios na B2L - Business to Lawyers S/A

  • Ramon Azevedo

    Ramon Azevedo Diretor na Fundep Participações S.A.

  • Raphael Moreira

    Raphael Moreira Analista de investimento na Triaxis Capital (Fundo Criatec II)

  • Robson Torres

    Robson Torres Assessor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional na SETRA

  • Rochel-Lago2

    Rochel Lago Professor e Pesquisador na UFMG

  • Rodrigo Lage

    Rodrigo Lage Projects Leader consultant at Falconi Consultores de Resultado

  • Rodrigo Moreira

    Rodrigo Moreira CEO na Smartalk

  • Rogerio-Rabelo-Faria

    Rogério Rabelo CEO Soluções Foco em resultados

  • Samir Iasbeck

    Samir Iásbeck Fundador e CEO da Qranio

  • Thiago Toscano

    Thiago Toscano Professor e Consultor na Fundação Dom Cabral

  • Tim Chen

    Tim Chen CEO da Top Ventures

  • Piero

    Piero Contezini CEO do Asaas

  • Lucas Cristiano

    Lucas Ferreira Mestre em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento

  • Fabrício Costa

    Fabrício Costa Ph.D em Genética e fundador da Genome Connect

  • Felipe Cunha

    Felipe Cunha Coordenador de Planejamento Financeiro na Tenco S/A

  • Bruno Pimentel

    Bruno Pimentel Engenheiro Mecânico e Doutor em Ciência da Computação

  • Profile___

    Gustavo Souza Fundador e CEO da Convertise.

FAQ

Perguntas mais Frequentes

As startups selecionadas para o nosso programa de aceleração já possuem, em sua grande maioria, algum tipo de validação do negócio e da tecnologia. Normalmente aceleradoras não selecionam empreendedores ou equipes que estão na fase apenas das ideias. Apesar de não existir um momento ideal para entrar em uma aceleradora, startups com MVP (produto mínimo viável) e que já tenham os primeiros clientes provavelmente conseguirão aproveitar melhor o programa de aceleração.

Incubadoras e aceleradoras têm como foco empreendimentos inovadores e com alto potencial de crescimento, especialmente no setor de tecnologia. Entretanto, apesar de se parecerem à primeira vista, as aceleradoras possuem importantes diferenças em relação às incubadoras.

De maneira geral, as incubadoras são associadas a uma instituição de pesquisa e ensino e oferecem ao empreendedor orientação e espaço a um preço subsidiado. As incubadoras não possuem fins lucrativos, sendo mantidas por instituições públicas.

As aceleradoras normalmente são entidades privadas que não só não cobram das startups como investem nelas, tornando-se sócias. As aceleradoras ajudam as startups a crescerem em ritmo acelerado e o sucesso delas depende do sucesso de suas startups. Além do espaço físico, as aceleradoras oferecem mentorias, experiência e inteligência de negócios, acesso a networking e diversos benefícios de parceiros.

Ao contrário do que muitos imaginam, empreendedores não são apenas jovens universitários na faixa dos vinte e poucos anos. A maioria dos empreendedores já possuem alguma experiência e conhecimento do mercado que estão empreendendo e se dedicam ao negócio quase sempre em tempo integral. São pessoas determinadas, resilientes e que querem deixar sua marca no mundo.

Depende do que você está buscando. Muitos empreendedores não buscam dinheiro ou metodologias, e sim o networking, as mentorias e a experiência do time das aceleradoras. Se esse é o seu caso, faz sentido entrar em contato com uma aceleradora.

O investimento varia bastante de aceleradora para aceleradora. O aporte financeiro pode variar de 20 mil a 100 mil reais. Entretanto, o aporte econômico, ou seja, o investimento que a aceleradora realiza com o programa de aceleração, equipe, benefícios de parceiros e infraestrutura é o maior valor que a aceleradora oferece.

O formato de dívida (ou mútuo conversível como é formalmente conhecido) é um dos instrumentos jurídicos mais usados pelo fato de facilitar a vida do empreendedor e do investidor. Trata-se de uma dívida que se converte em participação na empresa em um momento futuro. A maioria das startups é empresa do tipo Sociedade Limitada, porém os investidores só teriam certa segurança jurídica numa Sociedade Anônima (S/A). Para a startup ser uma S/A são necessários diversos custos e obrigações que para a maioria das startups não faria sentido ter. Dessa forma o mútuo conversível é um instrumento que permite o investimento numa Sociedade Limitada, não onerando o empreendedor e dando certa segurança para o investidor.

Grande parte das aceleradoras pede para que os empreendedores estejam presentes em seus espaços. O convívio e a troca de experiência com a equipe e entre os empreendedores de outras startups agregam muito valor ao processo e, por isso, são recomendadas pelas aceleradoras.

Não é incomum a mudança de direção (ou pivotagem) da startup durante o programa de aceleração. Se o melhor caminho envolver a mudança, a aceleradora auxiliará a startup para que esta ocorra de maneira rápida e gere resultados.

O papel da aceleradora não acaba com o fim do programa de aceleração. As aceleradoras continuarão sócias das startups e, apesar de terem um papel menos atuante em suas rotinas, ainda continuarão auxiliando o crescimento destas, principalmente na busca de investidores para os próximos estágios de desenvolvimento.

Uma aceleradora é um investidor de alto risco, sabendo que a chance de uma startup vir a falhar é muito grande. Se você e sua equipe trabalharam duro e fizeram o possível para dar certo, mas não conseguiram resultados, paciência! Isso faz parte do risco do negócio e da vida do empreendedor. Quem sabe na próxima startup você tenha sucesso!

Din StudioAceleração